CEA, Governo e prefeituras

Mediação do Judiciário promove acordo histórico para zerar dívidas entre governo do estado, prefeituras e CEA

Representantes do governo do estado, municípios e diretores da Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) lotaram o plenário da Câmara Única do Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap) por dois dias seguidos para buscar um acordo visando liquidar dívidas da CEA com o estado e os 16 municípios do Amapá, relativos aos créditos tributários do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), bem como os débitos de faturas de consumo de energia destes entes públicos com a companhia.

A audiência de conciliação, dividida entre os dias 27 e 28 de dezembro, foi coordenada pelo Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (NUPEMEC) da Justiça do Amapá, sob a condução do presidente do Tjap, desembargador Carlos Tork. O último encontro, realizado na tarde de quinta-feira (28), estendeu-se por mais de três horas devido à complexidade do tema.

Ao longo das negociações foram necessárias pelo menos três reuniões paralelas para que representantes de alguns municípios, do governo do estado e da CEA chegassem a um consenso em relação aos termos do acordo, tendo em vista que a primeira proposta seria de remissão mútua e depois foi substituída por um “acordo multilateral de compensação de créditos tributários de ICMS contra débitos de faturas de consumo de energia elétrica”.

Conforme o acordo assinado, o governo do Amapá e os 16 municípios concedem à CEA a extinção dos créditos tributários de ICMS. Em contrapartida direta, a Companhia de Eletricidade  declara quitados os débitos referentes às contas de energia – exceto valores relativos às faturas de consumo de iluminação pública – devidas até 31 de dezembro de 2017.

O presidente em exercício da CEA, Rodolfo Torres, destacou a importância fundamental da Justiça do Amapá na celebração do acordo. “Confesso que cheguei a pensar que não haveria acordo, mas o desembargador Carlos Tork soube utilizar as ferramentas e argumentos jurídicos mais adequados e fez com que todos entrassem em acordo”, elogiou. “A partir de janeiro de 2018 é vida nova”, concluiu o presidente da CEA.

Mesmo alguns municípios tendo mais créditos do que débitos com a CEA, os prefeitos presentes resolveram assinar o Termo de Compensação, a exemplo da prefeita de Pedra Branca do Amapari, Elizabeth Pelaes. “Nosso município tinha mais a receber da CEA, mas o momento é de união e para ajudar outros municípios”, ressaltou. “Nós fizemos esse ajuste para que houvesse um encontro de contas e deixar tudo zerado até o final desse ano”, concluiu a prefeita.

O Secretário Municipal de Planejamento da Prefeitura de Macapá, Paulo Mendes, destacou a importância da audiência que pôs fim a uma situação  que durava anos. “Parabenizo a postura do desembargador Carlos Tork, que soube conduzir com muita maestria essa audiência, e dizer que o município de Macapá colaborou no que pôde para a resolução de problemas históricos de gestão fiscal que existiam entre esses entes públicos”, garantiu o secretário.

A Associação dos Municípios do Estado do Amapá (AMEAP) que tem como presidente o prefeito de Santana Ofirney Sadala, também teve papel decisivo na audiência de conciliação. “Essa compensação representa a correção de um erro histórico que vinha sendo reiterado nas relações entre CEA, prefeituras e governo do estado. Santana agora não deve nada à companhia até 31 de dezembro de 2017”, comemorou o presidente da AMEAP.

O presidente do Tribunal de Justiça do Amapá, desembargador Carlos Tork, finalizou a audiência agradecendo a presença de todos considerando que o judiciário cumpriu o seu verdadeiro papel. “Era uma situação jurídica, financeira e contábil que se arrastava há pelo menos 20 anos”, observou. “Enquanto a Companhia de Eletricidade do Amapá (CEA) acumulava débitos de ICMS com prefeituras e governo do estado, estes não pagavam as contas de energia, mas agora, com este impasse resolvido, a companhia passa a ter inclusive um novo e melhor valor de mercado, se pensarmos na futura privatização”, finalizou o presidente do Tjap.

Fonte: Diário do Amapá

Publicações Recentes

  • Câmara de Vereadores de Macapá

    Juiz manda desocupar Câmara e vereadores votam Orçamento e estatuto do servidor
  • CEA, Governo e prefeituras

    Mediação do Judiciário promove acordo histórico para zerar dívidas entre governo do estado, pre...
  • IPVA

    Refis vai permitir que débitos com o IPVA sejam parcelados em até 24 vezes
  • Assembléia Legislativa

    Contrato garante reforma geral do prédio da Assembleia Legislativa do Amapá
  • Mãos Limpas

    STJ rejeita última ação da “Mãos Limpas” contra Waldez